Conecte-se com a gente!

Notícias

Brasileiro pedófilo é acusado de abusar de quatro crianças em Massachusetts

O número de crianças abusadas pode subir depois da primeira denúncia.

Publicado

em

Adalberto de Freitas. (Reprodução)

QUINCY, MA – Um brasileiro de 62 anos é acusado de molestar quatro crianças na cidade de Quincy, no estado de Massachusetts.

Segundo informações da polícia, Adalberto H. de Freitas, responsável por uma creche clandestina que funcionava dentro de sua casa na Copeland Street, teria abusado de duas garotas. Porém, o número pode ser ainda maior.

Na terça-feira (30/01), Adalberto foi ouvido pela primeira vez no Tribunal Distrital de Quincy sobre acusações de abuso e estupro infantil baseado na denuncia feita pelos pais de uma garota de 10 anos e outra de 12, que disseram ter sido molestadas por mais de quatro anos.

O juiz estabeleceu a fiança do brasileiro em US$ 50 mil. O acusado apelou do valor. Adalberto será ouvido novamente no próximo dia 28.

A porta-voz do Department of Early Education and Care, Kathleen Hart, disse que eles receberam uma denúncia de uma creche que operava sem licença em Quincy.

Segundo ela, a investigação ainda está em curso juntamente com o Department of Children and Families.

Um promotor identificou as atividades de assistência à infância como ilegal em uma moção judicial em que solicitava fiança. Segundo a lei estadual de Massachusetts, é exigido que alguém cuide regularmente de crianças que não estejam relacionadas à ela. Para isso é necessário obter uma licença.

Além de receber ameaças contra suas famílias, as duas vítimas, disseram que o brasileiro teria esfregado as suas partes íntimas  nelas, sobre roupas e depois por debaixo das roupas enquanto o abuso continuava. 

As meninas disseram praticava o ato quando a esposa dele estava dormindo ou fazendo compras.

Existe uma acusação ainda mais grave onde uma das vítimas alega que Adalberto teria praticado o mesmo tipo de abuso com todas as meninas da creche, menos com os meninos. Outras duas crianças ainda serão ouvidas por terem sido identificadas como possíveis vítimas do bandido.

Segundo o relatório da denuncia, Adalberto é acusado de abusar das vítimas ao menos em 10 ocasiões distintas. As agressões chegaram ao conhecimento da polícia de Quincy e do escritório Advogasse for Children do Nortfolk County, em Foxboro, no final do mês de janeiro, dia 29.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Motorista do UbearEATS mata cliente durante delivery de comida

O motorista do UberEATS já tinha passagem pela polícia em 2009. Empresa diz que está colaborando com as investigações.

Publicado

em

Cena do crime: condominio luxuoso em Buckhead. (FOX/Atlanta)

ATLANTA, GA – Um motorista do UberEATS se entregou na tarde dessa segunda-feira (20). Ele seria suspeito de ter atirado e matado um cliente no final de semana em Atlanta, na Georgia.

Robert Bivines, 36, é acusado de matar Ryan Thornton, de 30 anos de idade, depois de fazer um delivery de comida na casa dela que fica na área de Buckhead, na noite de sábado.

Testemunhas disseram à polícia que Thornton e o entregador discutiram e que, de repente, alguém de dentro do veículo começou a atirar e acertou a vitima diversas vezes.

O motorista saiu em disparada, fugindo da cena do crime. Thornton foi levado de ambulancia para o Grady Memorial Hospital onde não resistiu aos ferimentos e morreu.

Thornton usou o aplicativo de entregas, o UberEATS para pedir comida. Esse serviço se tornou popular nos Estados Unidos, onde pessoas regulares cadastradas na empresa – que é famosa pelo serviço de transporte de pessoas – pegam pedidos de comida em restaurantes participantes e fazem a entrega da comida.

Ainda segundo as normas da empresa, todos os motoristas que se cadastram no sistema para fazer entregas passam por uma checagem de antecedentes. Porém, Bivines, que aparece em foto de uma prisão em 2009, parece não ter sido checado anteriormente e teve seu cadastro aprovado.

Robert Bivines: mugshot de 2009 quando foi preso anteriormente. (Fox/Atlanta)

Um porta voz do Uber disse ao canal Fox 5: “Estamos chocados e muito consternados com essa notícia. Nós estamos trabalhando com a polícia de Atlanta, e nossos corações vão para as famílias dos envolvidos”.

Megan Emery, uma das vizinhas de Thornton há mais de um ano, disse que ouviu os barulhos no sábado, mas não se recorda de ouvir precisamente tiros. O prédio dela tem um forte circuito de cameras internas de segurança.

“É um pouco assustador. Tipo, tem várias mulheres jovens que vivem nesses apartamentos e nós temos uma excelente segurança. Você nunca vai pensar que algo assim poderia acontecer”, disse a moradora à FOX.

“Eu já deletei o aplicativo e não vou pedir delivery tão cedo, só por desencargo de consciência”, finalizou.

Continue lendo

Notícias

Escola no Colorado vai permitir professores armados no campus

Necessidade de armar professores foi colocada em votação após o atentado de Sandy Hook, em 2012.

Publicado

em

Kasey Hansen posa com sua arma em uma das suas salas de aula em Utah (NBC)

DENVER, CO – Um distrito escolar rural do Colorado decidiu quarta-feira (14) à noite permitir que seus professores e outros funcionários da escola levem armas no campus para proteger estudantes.

O conselho da Hanover School District 28 votou (3-2) para permitir que os empregados da escola se voluntariem para ficar armados no cargo depois de serem treinados.

As duas escolas distritais atendem cerca de 270 estudantes a cerca de 30 milhas a sudeste de Colorado Springs, e a polícia demora em média 20 minutos para chegar lá. O distrito compartilha atualmente um oficial armado com quatro outros distritos escolares.

Segundo o Gazette of Colorado Springs, o membro do conselho, Michael Lawson, apoiou a idéia não só como forma de proteger os estudantes de um tiroteio em massa, mas também como uma proteção contra a possível violência relacionada com a maconha nas proximidades, que ele acredita estar conectado com cartéis estrangeiros.

O presidente do conselho da escola, Mark McPherson, disse que uma pesquisa mostrou que a comunidade estava dividida no assunto. Enquanto os funcionários receberam algum treinamento, o oficial aposentado do Exército disse que não achou que seria suficiente para ajudá-los a responder efetivamente a um atirador ativo. Ele se preocupa com o que aconteceria se eles disparassem dentro de uma sala de aula.

“Precisamos deixar isso para os profissionais”, disse McPherson, que também se preocupa com o risco ter as armas no prédio da escola e como elas seriam armazenadas.

Ele disse que só está ciente de uma operação de cultivo de maconha dentro de aproximadamente 5 milhas das escolas. McPherson disse que pensa que os comentários sobre o envolvimento do cartel na área são apenas rumores neste momento.

Alguns outros distritos escolares no Colorado, bem como no Texas, Oklahoma e Califórnia, também apoiaram os professores para transportar armas após o ataque na Escola Primária Sandy Hook em Connecticut em 2012.

Um número não divulgado de professores e outros funcionários em um distrito de uma escola nas planícies orientais de Colorado pouco habitadas estão sendo treinados depois que o conselho escolar aprovou o a ação em julho em grande parte por preocupação quanto ao tempo que seria necessário para a aplicação da lei.

“Todos tinham armas escondidas e se ofereceram para o dever”, disse Steve McCracken, superintendente da Escola Fleming.

Todos devem ser submetidos a uma formação inicial de 46 horas, incluindo treinamento em ativo, além de treinamento anual e passar por um exame psicológico. O treinamento de armas de fogo custa um total de US $ 3.000, e o distrito também terá que gastar uma quantidade desconhecida de dinheiro para comprar armas de fogo e munições.

A última votação do Colorado veio no quarto aniversário do massacre de Sandy Hook. McPherson disse que a proposta está em tramitação desde junho e a votação final foi uma coincidência.

Continue lendo

Notícias

Montanha russa é evacuada no Universal Studios em Orlando

A atração parou de funcionar subitamente. Corpo de Bombeiros foi chamado para ajudar na evacuação das pessoas.

Publicado

em

Universal Studios

ORLANDO, FL – O corpo de Bombeiros de Orlando entrou em ação para ajudar a evacuar uma das montanhas russas mais famosas dos Estados Unidos, a The Hollywood Rip, Ride Rockit, no Universal Studios Resort.

Segundo informações do canal WFTV, a atração parou de funcionar às duas da tarde. Não foi informado quantas pessoas precisaram ser retirada dos trens que fazem parte da atração.

Também não existe registro de feridos. O Corpo de Bombeiros de Orlando apenas registrou o atendimento.

A Universal Studios não emitiu nenhum comunicado oficial sobre o incidente. No final da tarde, o brinquedo estava em testes, mas permanecia fechado.

A Rockit, como é chamada, é uma das maiores atrações do Universal Studios Resort. Foi inaugurada em 2009 e chega a 105 km/h nos seus 1:37m de duração da corrida com um pico de mais de 1200m de altura, além da famosa subida em 90º logo no início da atração.

 

Continue lendo
Publicidade

CANAL DO PS NO YOUTUBE

TWITTER DO PS

MAIS LIDAS