Mariana Ximenes banca novo projeto e dispara: “Difícil ser chamada para papéis no cinema”

Mariana Ximenez diz que não recebe convites para atuar no cinema e decidiu produzir seu próprio longa com atores convidados.

, da redação do PS paulosergio Publicada no dia 15/08/2015 às 19:57 Atualizado às 22:34 do dia 15/08

A atriz Mariana Ximenez no Festival de Gramado 2015. (Divulgação)

A atriz Mariana Ximenez no Festival de Gramado 2015. (Divulgação)

O UOL publicou uma entrevista com Mariana Ximenes muito reveladora. A atriz, que é uma das mais prestigiadas da edição 2015 do Festival de Gramado, botou a boca no mundo e disse que também não é chamada para papéis no cinema.

“O ator, para fazer algo diferente, tem que pedir, tem que ir atrás, tem que se envolver. Sempre tento buscar algo, mas o diretor às vezes tem olhar preconceituoso com a atriz que faz novela. É difícil ser chamada para papéis [no cinema], resolvi agir”, disse a atriz ao portal.

O filme “Um Homem Só”, dirigido por Claudia Jouvin, é um dos longas que estão na mostra competitiva do Festival e tem como protagonistas Mariana e o ator Vladmir Brichta. Surgiu, de acordo com a atriz, de uma rodada de vinhos entre amigas. Ainda estão no elenco Otávio Müller, Ingrid Guimarães, Natália Lage entre outros “colegas” de profissão.

“O projeto foi construído por amigos. Já começa então a ser especial desde o início. Por ser produtora também, eu comecei a participar de todo o processo e criação do filme. Isso me deixou muito envolvida”, disse a atriz ao portal G1, da Globo.

Esse discurso de Mariana vem de encontro com o que muitos atores que estão no mercado andam dizendo. É muito mais que necessário colocar a banda na rua, “agir” como disse a atriz.

Por isso, a quantidade de novos canais que estão surgindo no YouTube – e não estamos discutindo aqui a qualidade deles – é imensa. Sejam esquetes de humor, curtas de todas as vertentes e webséries de gêneros variados. Tudo está ali. Por isso, alguns atores como Ximenes e também Deborah Secco, aceitam com humildade convites para curtas universitários e até longas feitos em forma de crowdfunding – financiamento coletivo.

A quantidade de novos atores que são despejados no mercado é imensa, mas existe sim espaço para todos: teatro, cinema e, principalmente, as novas plataformas como o YouTube podem acomodar. Num país onde cultura vem em terceiro ou quarto plano, se cada ator conseguir produzir, juntar amigos e fazer acontecer pode ser uma forma de se alcançar o sucesso.

Muitos curtas disponíveis no YouTube tem muito mais visualizações que várias obras que chegaram aos cinemas. Alguns ultrapassam 500 mil visualizações. E vale a pena lembrar que o Google paga pelos cliques e isso é um grande incentivo.

 

 

Leia o post anterior:
Fábio Porchat num dos vídeos mais clássicos da carreira dele na internet. (Reprodução)
Matéria do JN sobre operadoras de telefonia cita piada de Fábio Porchat: “Judite!”

O repórter Felipe Santana faz referência ao personagem criado por Fábio Porchat num dos vídeos mais hilários da internet brasileira

Fechar