Conecte-se com a gente!

Matérias Especiais

Responda rápido: “a quantas separações uma mulher é capaz de sobreviver?”

Renata Tobelem é autora e estreia no Teatro do Leblon um monólogo com muito drama que vai fazer você rolar de rir com lágrimas nos olhos. Entendeu?

Publicado

em

Renata Tobelem no Teatro do Leblon
Renata Tobelem é Ana, em "A Quantas Separações Uma Mulher é Capaz de Sobreviver?" (Divulgação)

Renata Tobelem é Ana, em “A Quantas Separações Uma Mulher é Capaz de Sobreviver?” (Divulgação)

Antes de tentar responder a essa pergunta, impossível é dizer “nunca” para as situações que Renata Tobelem mostra no palco em “A Quantas Separações uma Mulher é Capaz de Sobreviver”. Impossível negar que ficou esperando aquela ligação ou que depois que o ex foi embora você não ficou com vontade de mandar aquele recado, dizendo tudo o que não teve coragem de dizer “na lata” dele. Diferente do que o título sugere, o monólogo que foi escrito por Renata e é encenado por ela, não é uma peça para “mulherzinha”.

O monólogo conta a história de Ana, uma mulher de 33 anos, que após o fracasso de seu último relacionamento decide tomar uma drástica decisão e grava um vídeo contando a sua louca trajetória. No palco, Renata conta com recursos muito bacanas que dão um impacto e colocam o público dentro do espetáculo. Ana conta as suas desventuras afetivas, com detalhes sobre cada um dos últimos amores, além do sofrimento pela perda mais recente.

Dirigida por Guida Viana, a peça tem arrancado aplausos de uma plateia bastante heterogênea. Renata explicou que foi certeira a escolha de Guida como diretora. As duas possuem uma história juntas. “Quando ela topou fazer a minha direção, achei que eu conseguiria chegar nesse resultado mesmo. Ela foi a minha melhor professora no ‘Tablado’. Ela me domou. E ela perguntou se poderia mexer no texto. E eu disse: ‘Agora ele é seu!'”, explica.

O espetáculo é co-dirigido por Michel Bercovitch que “A Renata foi super generosa e entregou o texto pra Guida que mexeu um pouco durante os ensaios. A Renata não foi uma autora que ficou na frente da atriz. A autoria é coletiva, no final das contas. A hierarquia da Guida é muito delicada. Foi um processo generoso, meio a toque de caixa, muito harmônico”, resumiu Michel.

Renata Tobelem no Teatro do Leblon

Cenário simples, muito bem resolvido e uma interpretação marcante, fazem do monólogo “A Quantas Separações…”, um programa imperdível. (Divulgação)

A vontade de Renata é que a peça viaje pelo país. Um monólogo de simples montagem que pode contar com a produção local para poder levar um bom texto, uma boa atuação. “Fazer teatro ainda é uma grande aventura. A gente contou com o apoio das pessoas pelo Catarse, mas mesmo assim ainda é complicado, é dificil e nunca será diferente. A gente quer muito viajar, quer partir com essa montagem pelo mundão à fora. Vamos ver. A temporada continua firme e forte aqui no Rio”, desabafa Renata. “A gente estreou no Tablado, que é nossa casa. Agora queremos ganhar o mundo!”, completa o co-diretor.

“O mais legal dessa peça é que você vive situações, você relembra situações, você ri com lágrimas nos olhos. Acho que todo mundo merece ver. Não é uma peça de mulherzinha. É uma peça pra todos os públicos”, finaliza a atriz.

A QUANTAS SEPARAÇÕES UMA MULHER É CAPAZ DE SOBREVIVER?
de Renata Tobelem
direção: Guida Viana
co-direção: Michel Bercovitch
Teatro do Leblon – Sala Tônia Carreiro
Terças e Quartas, às 21h
Ingressos: R$ 60

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe um reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Matérias Especiais

Como a reforma tributária de Trump pode impactar os imigrantes indocumentados

Crianças indocumentadas não poderão mais receber os créditos gerados pela declaração de imigrantes que possuem ITIN.

Publicado

em

Reprodução Internet

DA REDAÇÃO COM INFORMAÇÕES DA NBC – A reforma tributária aprovada pela Câmara e agora pelo Senado incluem benefícios ligeiramente mais generosos para os pais americanos. A menos que seus filhos sejam imigrantes indocumentados.

Atualmente, os não-cidadãos que pagam impostos usando um Número de Identificação do Contribuinte Individual, ou ITIN, podem solicitar o crédito fiscal para crianças, o que dá mais de US$ 1.000 por criança menor de 17 anos. No ano fiscal de 2013, de acordo com o Government Accountability Office, 4,4 milhões de declarantes do ITIN alegaram créditos fiscais para crianças no valor de US$ 6 bilhões.

Segundo as versões da Camara e do Senado do projeto fiscal republicano, quem possui ITIN – a maioria dos indocumentados – precisariam fornecer números de Social Security para cada criança para reivindicar a parte reembolsável do crédito, que entra quando o crédito excede responsabilidade fiscal total do depositante.

A versão do Senado exigiria um número de Seguro Social para o crédito regular também.

De acordo com Samantha Vargas Poppe, do grupo de advocacia latino UnidosUS, a mudança vai impactar diretamente milhões de crianças indocumentadas. Mas isso poderia também alcançar os nascidos cujos irmãos não-cidadãos já não são elegíveis para o crédito. Esse impacto na renda afetaria toda a família.

“Esses créditos mantém essas pessoas longe da linha da pobreza”, diz Poppe.

“Isso aqui não é um lugar para a aplicação da imigração. São apenas crianças”.

Os imigrantes indocumentados e seus empregadores pagaram cerca de US$ 13 bilhões em impostos sobre folha de pagamento em 2010, o ano mais recente para o qual a Administração da Segurança Social divulgou números. Muitos também pagam impostos sobre a segurança social, impostos sobre vendas e impostos sobre a propriedade, mas não são elegíveis para a maioria dos programas federais, incluindo Social Security, Medicare, Medicaid ou subsídios para os benefícios da Lei de Affordable Care.

Para os cidadãos dos EUA, a conta da Câmara aumenta o valor do crédito fiscal para crianças de US$ 1.000 a US$ 1.600. A lei do Senado dobra-o para US$ 2.000. Ambas as contas aumentam o limite de renda no qual os contribuintes serão elegíveis para reivindicá-lo.

Além disso, o projeto de lei da Câmara reforça as regras do Crédito Tributário de Ganho de Renda, de tal maneira que os imigrantes cobertos pelo DACA não poderão mais receber o crédito quando a autorização de trabalho expirar.

A administração Trump anunciou em setembro sua decisão de encerrar o programa, o que significa que esses imigrantes perderão seu status protegido nos próximos anos, a menos que o Congresso intervenha.

O projeto da Câmara também exigiria um número de Social Security para o Crédito Tributário (American Opportunity Tax Credit), que vale 2.500 dólares anualmente para os primeiros quatro anos de despesas de educação superior. Em 2013, os depositantes do ITIN reivindicaram US$ 204 milhões através deste crédito.

O projeto de lei do Senado não altera esses créditos.

Os conservadores há muito buscam essas restrições, o que eles dizem serem necessárias para se proteger contra a fraude fiscal.

O Centro de Estudos de Imigração também argumentou que permitir que os imigrantes indocumentados recebam créditos fiscais reembolsáveis ​​viola as disposições das reformas de bem-estar de 1996 que proíbem os imigrantes indocumentados de receberem mais benefícios federais.

Luke Messer, um representante republicano de Indiana, introduziu uma legislação que eliminaria a elegibilidade do crédito fiscal para filho de depositantes do ITIN no início deste ano.

“Não podemos continuar a recompensar as pessoas que vêm ilegalmente para o nosso país, enquanto aqueles que trabalham duro e lutam pelas regras, lutam para avançar”, disse ele em um comunicado de imprensa em outubro, em prol da inclusão do projeto de lei em medidas de reforma tributária.

Os democratas e uma longa lista de grupos de defesa dos direitos dos imigrantes se opuseram contra a medida, dizendo que aumentará a pobreza infantil.

Continue lendo

Matérias Especiais

Amazon estaria com um pezinho na indústria farmacêutica

A empresa tem tido conversas com empresas do seguimentos e estaria com uma estratégia pronta para atuar.

Publicado

em

(Reprodução)

DA REDAÇÃO – Uma das maiores empresas de varejo do mundo está querendo entrar para a indústria farmacêutica. The Verge informa que a Amazon está numa conversa de alto nível com a representantes da industria farmacêutica no que diz respeito a prescrição de medicamentos.

Uma fonte anônima disse que a Amazon tem tido conversas regulares com Mylan e The Sandoz. Uma nota do banco Leerink confirma que o encontro entre as duas companhias aconteceu realmente. Tanto a Mylan quando a The Sandoz são grandes empresas da indústria de medicamentos genéricos.

Esta é a primeira vez que a Amazon expressa o interesse em entrar na área da saúde. No início do ano, surgiram informações de que ela estaria contratando pessoal para ajudá-la a entrar no ramo de seguro de saúde, e a companhia teria uma licença para vender equipamentos médicos.

As primeiras notícias não deixam claro qual seria o verdadeiro ramo de atuação da Amazon. É possível que ela vá trabalhar como a venda de “atacado” de medicamentos, vendendo em grande quantidade para empresas ou simplesmente como uma loja de varejo.

A entrada da Amazon na indústria de planos de saúde poderia ocasionar algumas mudanças na área. Afinal de contas, a companhia mexeu com as lojas tradicionais de varejo e as livrarias, mas representantes da Sandoz dizem que não esperam que a Amazon cause algum impacto significativo no negócio.

Outras empresas são céticos sobre a entrada da Amazon nesse ramo.

Na mais recente convenção da Forbes Healthcare, o CEO da Walgreens, Stefano Pessina, disse que acredita que as regulações e a complexidade da indútria farmacêutica podem ser muito maiores dos que a Amazon possa imaginar.

“Eu acredito que eles não vão entrar numa indústria tão complicada como a nossa indústria”, disse Pessina. “Eu acredito que no final eles vão usar a tecnologia deles num outro caminho”, finalizou.

As informações são da Digital Trends.

 

Continue lendo

Matérias Especiais

Homem com tatuagem “Não ressuscitar” entra no ER. Médicos de Miami não sabiam o que fazer!

A tatuagem era realmente a representação do que o paciente deseja? Isso é legalmente correto? O caso foi publicado numa revista médica.

Publicado

em

Foto do paciente com a tatuagem assinada pelo paciente. (Reprodução)

MIAMI, FL – Os médicos de Miami se viram numa situação ética bem fora do comum quando um homem inconsciente foi trazido até a emergência com as palavras “Não Ressuscitar” tatuada no peito.

O homem de 70 anos foi levado meses antes ao Jackson Memorial Hospital, onde os médicos fizeram a descoberta: a tatuagem parece ser o último desejo dele. A palavra “não” estava sublinhada e a tatuagem incluía uma assinatura.

Isso deixou a equipe médica em uma “sinuca de bico” com questões médicas, éticas e legais.

A tatuagem era realmente a representação do que o paciente deseja? Isso é legalmente correto? Eles deveriam honrar esse aviso?

O caso veio à tona com detalhes na edição desta quinta-feira (29) do “New England Journal of Medicine”, que deixou os medicos com ainda mais questões.

“Essa tatuagem desse paciente trouxe muito mais confusão do que clareza, deixando todos preocupados sobre a legalidade e também a crença de que essas tatuagens podem representar lembranças permanentes de arrependimentos feitas em momentos em que a pessoa estava intoxicada”, diz o texto do autor no jornal.

Gregory Holt, o autor do texto, disse em uma entrevista que “muita gente da área deve ter feito muita piada sobre uma possível tatuagem como essa, e quando você finalmente vê uma, é tanta surpresa e choque na sua cara! E aí, o choque pega você de novo porque você tem que realmente pesar à respeito disso e tomar uma decisão!”

Holti disse que o paciente, que tem um histórico de doença pulmonar, vivia com um serviço médico em domicílio mas ele foi encontrado drogado e inconsciente em uma rua e levado até o Jackson Memorial.

Ele chegou sem identificação, sem familia ou amigos e não havia nenhuma forma de dizer aos médicos se ele queria viver ou morrer. Holt disse que o paciente tinha uma infecção que o levou a um choque séptico, causando falha de alguns órgãos e queda extrema da pressão sanguínea.

Quando a pressão dele começou a cair, os médicos da emergência chamaram Holt que é especialista em doenças pulmonares – e eles, primeiramente, concordaram em não seguir o que estava dizendo a tatuagem, “invocando o princípio de não escolher algo irreversível quando existe ainda exista ainda uma incerteza”, disse o médico no estudo do caso.

Eles deram injeções intravenosas com antibióticos e medicação para a pressão sanguínea para dar mais tempo à eles decidirem sobre a questão de vida ou morte.

A equipe colocou uma máscara de ar no homem mas lutaram muito para ligá-lo ao respirador artificial.

“Nós temos um homem que não pode falar”, disse Holt ao The Washing Post, “e eu realmente queria falar com ele para saber se a tatuagem realmente refletia o que ele queria como seu último desejo”.

O estado da Flórida requer que ordens para não reanimar o paciente seja impressa num papel amarelo e assinada por um médico. Por conta disso a equipe médica chamou um consultor especialista em ética para discutir os aspectos legais da tatuagem.

Segundo Holt, o especialista determinou que os médicos não deveriam ser tão pragmáticos e poderiam presumir que a tatoo seria sim uma reflexão apurada sobre os últimos desejos do paciente.

Assim, os medicos seguiram a ordem de DNR (Do Not Resuscitate) do paciente que morreu na manhã seguinte. “Ele parecia muito sério sobre isso. Mas também parece que ele não acreditava muito que isso um dia fosse responsável por definir o seu fim de vida. Pra mim, isso significa que precisamos de um sistema melhor”, concluiu Holt.

“Um sistema para que as pessoas realmente consigam deixar claro seus desejos – e se esses são realmente os seus desejos – assim nós não vamos fazer coisas erradas para eles numa emergência, como quando um homem como esse chega no ER inconsciente”, finalizou.

Continue lendo
Publicidade

CANAL DO PS NO YOUTUBE

TWITTER DO PS

MAIS LIDAS