Miguel Falabella diz que não liga de ser censurado em “Sexo e as Negas”

Mesmo o produto sendo exibido às 23h ainda tem coisas que não podem ser exibidas na Globo

, da redação do PS paulosergio Publicada no dia 09/09/2014 às 0:59 Atualizado às 1:18 do dia 09/09

Miguel Falabella conversa com a imprensa no lançamento de "Sexo e as Negas"

Miguel Falabella conversa com a imprensa no lançamento de “Sexo e as Negas”

Foram mais de dez minutos de conversa franca que Miguel Falabella teve com a imprensa no lançamento da série que ele assina, “Sexo e as Negas”. Inspirado descaradamente em “Sex and the City”, a série seria também recheada de muita sensualidade, realidade – o que pode ser traduzido em vocabulário mais baixo das personagens do subúrbio – e também polêmica. Mas Miguel faz questão de deixar claro que os tempos são outros. “Estamos em tempos politicamente corretos. Estou fazendo uma ginástica. Tem coisas cortadas. A TV é aberta, poderia estar fazendo em TV a cabo. Foi uma escolha minha. A gente não deixa de dizer as coisas. Não precisa se dizer literalmente. Para bom entendedor meia palavra basta. E eu gostaria que o público pensasse. Não quero mastigar tudo para o público não. Vamos pensar!”, explica o autor.

Sobre a questão da censura dentro da TV Globo – o que pode e o que não pode ser exibido passa por uma avaliação da alta cúpula – Miguel diz que é sempre “o advogado das suas causas”. Nem sempre dá para ganhar, mas na maioria das vezes ele briga pra manter a forma e a característica do produto que está produzindo. “Eu não sou uma pessoa extremamente censurada porque eu sou brigão. Quando eu quero eu advogo e muitas vezes eu ganho… ganho a causa. Mas algumas vezes eu não ganho. Faz parte do jogo. Eu acho que maturidade é isso. É você entender de que forma você cria dentro de uma empresa e como você lida com todas as engrenagens da empresa de forma agradável, civilizada”, pondera.

Já nos primeiros episódios de “Sexo e as Negas” rolaram cortes. Como na fala da personagem de Karin Hils. Segundo Miguel, a fala franca da mulher dizendo que é ela quem comeu o homem e não o contrário, apesar do horário de exibição – na faixa das 23h – não foi aprovada.

“Eu escrevi coisas que foram cortadas. Mas cortar não me faz mal, não. Simplificam Machado de Assis. Vocês podem imaginar o que é cortar o DNA de um povo? Pelo amor de Deus!! Machado de Assis é jogar na lixeira o que nós somos como povo. Então, vou me preocupar com isso?”, finaliza.

Ouça a entrevista na íntegra de Miguel Falabella no lançamento de “Sexo e as Negas”.

Leia o post anterior:
Karin Hils, de "Sexo e as Negas"
“As Marvelettes” vem com tudo em “Sexo e as Negas”, na Globo

Karin Hils, do Rouge, é uma das estrelas que compõem o quarteto que só aparece no final de cada episódio...

Fechar